“É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera.

Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir!

Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer se outro modo…”

Paulo Freire

 

Este manifesto-plataforma propõe estabelecer um ponto de partida para as diretrizes políticas e programáticas para o próximo período, com vistas ao nosso VII Congresso. Precisamos de bases políticas para dar conta das enormes demandas dos trabalhadores e dos excluídos do nosso país, começando pela tarefa de derrotar Bolsonaro. Essas diretrizes precisam estar abertas ao debate, no partido e nos movimentos. Não se trata de uma receita pré-estabelecida, hermética, fechada, imune às mudanças na realidade e da experiência viva das lutas sociais do nosso povo.

O VII Congresso do PSOL, que se realizará em condições novas e excepcionais, será um momento privilegiado para alcançarmos um salto na afirmação de um partido mais enraizado, dinâmico, democrático e plural, capaz de absorver os setores sociais e novas gerações de ativistas que procuram incluir-se nas nossas fronteiras.

 

Um novo e histórico momento se abriu no mundo e no Brasil com a catástrofe da pandemia da Covid-19 e o aprofundamento das crises econômica, social e ambiental. Uma das facetas desse novo período é o fortalecimento de lutas de resistência. Se ainda não foram suficientes para impor uma nova relação de forças global e um novo ciclo de superação das crises, já são fortes o suficiente para conquistar algumas vitórias contra os governos ultraliberais, negacionistas e necropolíticos, como no caso dada derrota eleitoral de Trump, que resultou, entre outros vetores, da mobilização de massas antirracista ocorrida em 2020 nos EUA.

No Brasil, devido ao negacionismo criminoso de Jair Bolsonaro frente à pandemia do novo coronavírus e à leniência daqueles que poderiam deter a tragédia que vivemos, o país vive a maior crise de sua história. São mais de meio milhão de vidas perdidas, milhões de empregos destruídos, áreas gigantescas de nossas florestas abatidas. O país ainda vive o período histórico aberto com o golpe de 2016, quando se impôs uma relação de forças favorável à direita e à ofensiva ultraneoliberal do capital. Um período de retrocessos, de regressão de direitos de toda ordem, de crescente militarização da sociedade, de recrudescimento do Estado penal e policial, aprofundadas com a vitória de Bolsonaro em 2018.

Neste contexto de contornos dramáticos, cresce a importância do PSOL como instrumento para representar os anseios populares. Em meio à crise sanitária, demonstramos esse compromisso, ao defendermos desde o primeiro momento as medidas de isolamento social sugeridas por infectologistas e epidemiologistas, articulando a defesa do Auxílio Emergencial, da proteção de micro e pequenos empreendedores através da concessão de crédito rápido e barato, dos recursos emergenciais para estados e municípios, da recomendação de ações urgentes de combate à fome e ao avanço da COVID-19 entre indígenas, da luta para evitar remoções e despejos que violam os direitos à moradia, à saúde, à vida, dentre outras.

Nossa bancada e nosso partido atuaram para salvar vidas e proteger empregos desde o início da pandemia. No plano político, ainda em 2020, apresentamos um pedido de impeachment amplo, subscrito por sete partidos de oposição e mais de 400 entidades da sociedade civil. Mostramos a importância da unidade para enfrentar os retrocessos em curso, sem abrir mão de nossa combatividade e independência política. E mais recentemente voltamos a impulsionar o que a mídia chamou de “super pedido” de impeachment, que mobilizou toda a oposição ao governo.

Neste momento, a desastrosa gestão da pandemia e o fracasso da ofensiva anti-democrática institucional do bolsonarismo em 2020 enfraqueceram o governo, que está no seu pior momento em termos de isolamento (vide a CPI) e perda de popularidade – situação agravada agora com as denúncias de corrupção, especial na compra de vacinas.

O aumento da pobreza e da desigualdade, o boicote do governo federal à vacinação, o estrangulamento dos pequenos negócios, o ajuste fiscal, a escalada da violência policial nas periferias (como na chacina do Jacarezinho/RJ) e a guerra contra prefeitos e governadores que não se alinharam ao projeto de morte de Bolsonaro… tudo isso colocou a necessidade da retomada das amplas mobilizações de rua mesmo diante da crise sanitária.

Essas mobilizações vêm numa crescente desde o 13 de maio, com atos de denúncia da chacina, a qual combinada a esse quadro de crises, abriram a possibilidade de abreviar o mandato do genocida. Assim, corretamente, o PSOL, através de iniciativas amplamente unitárias, vem convocando e protagonizando o chamado dos atos pelo Fora Bolsonaro.

O grave momento que vivemos exige firmeza e responsabilidade de todo o partido. As diferenças políticas num partido plural como o PSOL são legítimas, mas devemos ter a maturidade de concentrar nossos debates na construção de um projeto para o Brasil, numa plataforma de emergência para enfrentar a dramática crise que o país se encontra, nas mobilizações de rua para possibilitar a derrota não só de Bolsonaro, mas de unir forças contra o bolsonarismo (muito maior e com enraizamento social).

Precisamos apresentar propostas concretas de saídas para o Brasil, para incidir nos diálogos com partidos e movimentos sociais sobre qual deve ser a plataforma emergencial para tirar o país do atoleiro. Cremos que esta plataforma deve começar pela revogação do famigerado teto de gastos e todas as contrarreformas aprovadas desde o golpe (reformas trabalhista, previdenciária e administrativa, privatizações). É preciso recuperar e fortalecer programas sociais de combate à fome, investir na recuperação do emprego. E debater um novo modelo de desenvolvimento, que supere o agro-extrativismo neocolonial, que garanta uma transição energética para uma matriz livre dos fósseis, com descarbonização da economia.

O debate eleitoral também é fundamental. As eleições de 2022 serão das mais importantes da história do país. Acreditamos que o PSOL deve propor a unidade da esquerda, buscando um programa de enfrentamento à extrema direita e à agenda liberal, propondo fóruns e mesas de diálogo e debates entre partidos, movimentos sociais, intelectuais em busca dessa unidade e da elaboração desse programa. Mas não devemos colocar o debate da definição da tática eleitoral no centro de nossas tarefas agora. A hora é de lutar para derrubar Bolsonaro! Para definir a tática eleitoral do PSOL para 2022, defendemos que ela seja decidida em uma Conferência Eleitoral a ser realizada no primeiro semestre de 2022.

O PSOL é o mais importante projeto partidário da era pós-PT. O PSOL é o partido de Plínio, de Marielle, de Boulos, de Guajajara, da maior bancada de esquerda fora da ordem nos espaços legislativos brasileiros e com grande número de ativistas feministas, negras e negros, lgbtqi+s, sem teto, quilombolas e indígenas. As vitórias em Belém, com Edmilson Rodrigues, o segundo turno em São Paulo, com Boulos e Erundina, e a eleição de dezenas de mandatos em todo o país mostram que o partido está no rumo certo.

Mas a potência desse perfil público e nosso crescimento precisa se refletir mais na dinâmica interna. É nosso desafio ampliar o enraizamento social do partido, diminuir as tensões internas, garantir um funcionamento que dinamize a vida orgânica do partido, respeitando a pluralidade de visões, vivências e opiniões, tornando-se cada vez mais um espaço de pertencimento e identificação política do nosso povo.

Não temos medo de ouvir nossas bases e estamos empenhados em construir um processo congressual democrático e adaptado excepcionalmente para a nova realidade da pandemia. Nossa militância decidirá, de forma soberana em nosso Congresso Nacional, os passos que o PSOL deve dar para construir a unidade contra Bolsonaro, conquistar vitórias eleitorais em 2022, organizar as lutas sociais que temos pela frente e fortalecer um projeto de esquerda, ecossocialista e libertário.

Para isso, assumimos o compromisso de formar uma direção para o partido capaz de responder à altura aos desafios da conjuntura e do período, ao mesmo tempo em que busque o máximo de unidade, garantindo para tal um partido mais vivo e dinâmico, com maior participação dos seus filiades em sua vida interna. Um partido que conquistou tantas vitórias nos últimos anos, que cresceu e ampliou seu enraizamento junto ao povo brasileiro, precisa ser arejado pelos ventos da renovação. Precisa ser mais democrático. Precisa colaborar para construir um programa anticapitalista para enfrentar a crise que o Brasil vive.

Estamos juntos porque acreditamos no PSOL e nas lutas dos explorados e oprimidos. Acreditamos que é possível derrotar Bolsonaro e reconstruir o Brasil sobre novas bases. Acreditamos na classe trabalhadora em suas diferentes expressões. Acreditamos num país que supere o machismo, o racismo, a LGBTfobia, o capacitismo, o neoliberalismo e a selvagem destruição da natureza e de nossos povos originários. Acreditamos que é possível vencer, construindo a unidade na diversidade.

Vem com a gente, construir um PSOL de todas as lutas!

Assinam esse manifesto

Guilherme Boulos – Coord. Nacional do MTST
Juliano Medeiros – Presidente Nacional do PSOL
Ivan Valente – Deputado Federal, SP
Luiza Erundina – Deputada Federal, SP
Talíria Petrone – Deputada Federal, RJ
Aurea Carolina – Deputada Federal, MG
Edmilson Rodrigues – Prefeito da cidade de Belém, PA
Edson Viriato – Prefeito da cidade de Potengi, CE
Andreia de Jesus – Deputada Estadual, MG
Carol Vergolino – Co-deputada estadual Mandato Juntas, PE
Dani Monteiro – Deputada Estadual, RJ
Érica Malunguinho – Deputada Estadual – PSOL SP
Flavio Serafini – Deputado Estadual, RJ
Isa Penna – Deputada Estadual, SP
Jô Cavalcanti – Co-deputada estadual Mandato Juntas, PE
Joelma Carla – Co-deputada estadual Mandato Juntas, PE
Kátia Cunha – Co-deputada estadual Mandato Juntas, PE
Marinor Brito – Deputada Estadual, PA
Mônica Francisco – Deputada Estadual, RJ
Paulo Lemos – Deputado Estadual, AP
Renata Souza – Deputada Estadual, RJ
Renato Roseno – Deputado Estadual, CE
Robeyonce Lima – Co-deputada estadual Mandato Juntas, PE
Afrânio Boppré – Direção Nacional do PSOL e Vereador em Florianópolis, SC
Ailton Leite – Vereador em Potengi, CE
Aline Sergio – Vereadora em Potengi, CE
Ana Paula Melo – Co-vereadora Mandato Coletivo do PSOL em Ponta Grossa, PR
AnaBella Pavão – Vereadora em Batatais, SP
Benny Briolly – Vereadora, Niterói
Bella Gonçalves – Vereadora em Belo Horizonte, MG
Carolina Iara – co-vereadora Bancada Feminista do PSOL – São Paulo
Cida Falabela – Vereadora em Belo Horizonte, MG
Cleide Coutinho – Co-vereadora Pretas por Salvador, BA
Dani Portela – Vereadora em Recife, PE
Daniel Theodoro – vereador em Macapá, AP
Dafne Sena – co-vereadora da Bancada Feminista do psol
Djalma Nery – Vereador em São Carlos, SP
Edimilson Souza – Vereador em Guarulhos, SP
Enfermeira Nazaré Lima – Vereadora em Belém, PA
Erick Ovelha – covereador do Quilombo Periférico
Evandro Paiva – Vereador em Estância, SE
Guilherme Mazer – Co-vereadora Mandato Coletivo do PSOL em Ponta Grossa, PR
Inês Paz – Vereadora em Mogi das Cruzes, SP
Isaias de Negobia – Vereador em Estância, SE
Ivan Moraes – Vereador, Recife
Iza Lourença – Vereadora PSOL Belo Horizonte
João Luiz Stefaniak – Co-vereadora Mandato Coletivo do PSOL em Ponta Grossa, PR
João Paulo Rillo – Vereador de Rio Preto, SP
Josiane Schade Kieras – Co-vereadora Mandato Coletivo do PSOL em Ponta Grossa, PR
Laina Crisóstomo – Co-vereadora Pretas por Salvador, BA
Linda Brasil – Vereadora, Aracaju
Livia Duarte – Vereadora em Belém, PA
Lívia Guilardi – Co-vereadora Coletiva Bem Viver Florianópolis, SC
Marina Caixeta – Co-vereadora Coletiva Bem Viver Florianópolis, SC
Matheus Gomes – Vereador PSOL Porto Alegre
Mayne Góes – Co-vereadora Coletiva Bem Viver PSOL Florianópolis
Mônica Benício – Vereadora, Rio de Janeiro
Natalia Chaves – Co-vereadora Bancada Feminista, SP
Paula Nunes – co-vereadora Bancada Feminista – PSOL São Paulo
Paulo Búfalo – Vereador em Campinas, SP
Professor Túlio – Vereador, Niterói
Professora Madalena – Vereadora em Abaetetuba, PA
Ramon Faustino – Co-vereador Mandato Todas as Vozes em Ribeirão Preto, SP
Ricardo Alvarez – Vereador em Santo André, SP
Silvia Ferraro – co-vereadora da Bancada Feminista do PSOL – São Paulo e Executiva Nacional do PSOL
Tallia Sobral – Vereadora Juiz de Fora-MG
Tarcísio Motta – Vereador, Rio de Janeiro
Zé do Julio – Vereador em Potengi, SE
Carlitos Lemos – Presidente Estadual PSOL/SE
Caroline Castro – Presidenta Estadual PSOL RJ
Francisco Waldilio da Silva Sousa – Presidente Estadual, PSOL PI
Jane de Souza Rosas – Presidenta Estadual PSOL/AC
Matheus Lima – Presidente Estadual PSOL/SP
Severino Alves – Presidente Estadual do PSOL/PE
Walmir Freire – Presidente Estadual PSOL/PA
Wesley Garcia – Presidente Estadual PSOL/GO
Adrian Silva – Tesoureiro PSOL Curitiba PR
Alessandra Minadakis – ex-candidata a Federal e Vereadora, DM de Goiânia e Exec. PSOL/GO
Aldo Lima – Presidente do Sindicato dos rodoviários de Recife
Ana Paula Rocha – Direção Estadual PSOL ES e militante do Círculo Palmarino
Camilla Paulino – PSOL Espírito Santo
Carlos Bittencourt – Diretório Nacional do PSOL
Cecília Feitoza – Executiva Nacional do PSOL
Daniel Vieira – Presidente PSOL Niterói
Davi Cavalcante – Diretório Estadual de Pernambuco
Davi Lobão – Coordenador Geral Sinasefe
Deborah Cavalcante – PSOL São Paulo
Drica Serafim – Candidata a vereadora de Santo André
Élice Botelho – Co-candidata a vereadora de Campinas
Elson de Melo – Secretário de Comunicação PSOL Amazonas
Elson Pereira – Diretório Estadual de Santa Catarina
Etiene dos Santos – Presidenta Municipal do PSOL em Curitiba
Fábio Torres – PSOL Suzano
Fernando Silva “Tostão” – Fundador do PSOL
Giambatista Brito – Diretório Nacional do PSOL
Gizelle Freitas – Executiva de mulheres nacional do PSOL
Guilherme Cortez – Diretório Estadual PSOL – SP e Presidente municipal do PSOL Franca/SP
Haroldo Saboia – Diretório Nacional do PSOL
Henrique Lemos – PSOL Goiânia
Pastor Henrique Vieira – Ativista de Direitos Humanos
Ingrid Silva – Co-candidata a vereadora de São José dos Campos
Ivan Martins – Executiva PSOL Rio de Janeiro
Jeffeson William Pereira – PSOL AM
João Pulcinelli – Presidente PSOL Goiânia
João Zafalão – Diretório Estadual de São Paulo
José Carlos Miranda – Diretório Estadual de São Paulo
José Luís Fevereiro – diretório Nacional
Juliana Donato – Frente Povo sem Medo
Junia Gouveia – fundadora do PSOL
Karina Rodrigues – PSOL DF
Keka Bagno – Direção Nacional do PSOL
Lucas Müller – Presidente PSOL Cabo Frio
Luciana Araújo – Fundadora do PSOL
Luciana Boiteux – Docente da UFRJ
Luciano Barbosa – PSOL Rio das Ostras/RJ
Manu Jacob – Ex-candidata a Prefeita de Goiânia
Marcelo Badaró – fundador do PSOL
Marcelo Locatelli – Diretório Estadual PSOL Paraná
Marcio Souza – Diretório Estadual de Sergipe
Marcos Rezende – vereador suplente de Salvador e membro da Direção Nacional do CEN (BA)
Marina Sassi – Presidente do PSOL São José dos Campos /SP
Mauro Inácio – ex-candidato a Prefeito de Ribeirão Preto/SP
Nadja Carvalho – Setorial Nacional de Mulheres do PSOL
Nestor Bezerra – Coordenador Geral do Sindicato da Construção Civil de Fortaleza
Nicollas Souza – PSOL Florianópolis
Priscilla Costa – PSOL Bahia
Ricardo Saraiva – BIG – Presidente do PSOL de Santos
Rielda Alves – PSOL Maranhão
Rodrigo Bocão – Executiva Nacional do PSOL
Rodrigo Noel – Diretor da FITES
Ronaldo Mota – Ex-candidato a Prefeito PSOL São Carlos/SP
Sérgio Moura – Suplente do Diretório Estadual do RJ
Simone Nascimento – Coordenação MNU SP e candidata a vereadora em SP
Sonia Meire – PSOL Aracaju
Taiane Alecrim – Diretório Municipal Niterói
Talita Victor – PSOL DF
Valério Arcary – PSOL São Paulo
Vinícius Codeço – Secretário Geral PSOL RJ
Tendências nacionais do PSOL que assinam este manifesto:

Insurgencia

Primavera Socialista

Resistência

Revolução Solidária

Subverta

Coletivos regionais que assinam este manifesto:

Coletivo Carmen Portinho, RJ

Coletivo Maloca Socialista, SP

Coletivo Rebelião, SP

Assine o manifesto

Aqui você pode inserir alguma informação complementar que será publicada junto com seu nome. Ex: militante do movimento xx, dirigente partidário, militante do núcleo yy,...
Ciente e de acordo com a política de privacidade.